16.2.07

Da Monumental Plaza de Toros a esta humilde adega


























Meu amigo Raoul me pergunta sobre vinhos da Catalunha. Da Catalunha, respondo, só conheço as cavas, grandes espumantes feitos na terra onde a árvore genealógica de meu amigo tem sólidas raízes. Mas, como múltiplas e infinitas raízes também tem a árvore do conhecimento, nunca se sabe quando tropeçaremos em uma de suas extensas ramificações.

Não é de hoje que o touro é um animal de grande simbolismo para os povos mediterrâneos. Minos, o rei de creta, mantinha um em seu labirinto. Disfarçado de touro, Júpiter seduziu a bela Europa. Em Alexandria, os súditos de Cleópatra reconheciam no boi ápis a representação do deus Osiris. Assim como, em Argos, as mulheres viam no touro que emerge das águas a representação de Dionísio, deus do vinho.

Gregos e romanos, os poetas clássicos sempre associaram a força do touro à potência do vinho. Pegando carona, Ernest Hemingway escreveu que o gosto pelas touradas é proporcional ao gosto pelos vinhos. Era de se imaginar, portanto, que na região onde se encontra a Monumental Plaza de Touros houvesse vinhos mais robustos do que aqueles que o escritor norte-americano considerava como sendo menores e, por esta razão, indicados para iniciantes em vinhos e touradas, os vinhos frisantes.

Eu não sabia. Mas, há 54 anos é produzido em Barcelona este Sangre de Toro, naturalmente, tinto e robusto. Feito com uvas garnacha e cariñena é descrito com um vinho de aroma e sabor mediterrâneos, ideal para acompanhar a aromática e saborosa culinária catalã. Agora sei. E por isso, ergo uma taça na direção da Sagrada Família e faço um brinde a Raoul, Gaudí, Picasso e a este bravo herói que verte sangre e coragem nas plazas de Espanha, el toro.

14 comentários:

Raoul disse...

Salut y forza al canut!
Visca Catalunya.
Abraço!

Paco Torras disse...

Eduardo, vc está rodeado de catalães...De vinhos do principat posso falar bem: do Penedés, de onde sai a cava, saem também ótimos vinhos, mas o terroir da moda é o Priorat, uma micro região perto do mar de onde vêm ótimos e caros (por aqui)vinhos. Além dessa duas mais famosas, há mais um monte de DOCs e DOQs. Participei inclusive de uma cooperativa numa cidadezinha chamada Sarral que hoje é DOC, Conca de Barberá, perto de Tarragona onde fazem vinhos e cavas simples mas muito bons. Perfeitos com calçots. Visca el Barça!

Vinho para Todos disse...

Eduardo,
estamos no dia 18/fev e o vinho deste mês ainda não foi escolhido para nossa "Confraria Brasileira de Enoblogs". Tentei contato com o Leonardo (Viva o Vinho), mas não retornou resposta, nem postou comentários sobre o Lovara. Deve estar com algum problema. Assim, sugiro que continuemos nosso rodízio para não ficarmos sem indicação para este mês. De acordo com a ordem estabelecida à medida em que os convites eram aceitos, cabe a você a indicação deste mês, em substituição ao Leonardo. O que acha da proposta? Se entender OK, favor fazer a indicação para nós (Vivinhos, Viva o Vinho e Vinho para Todos).
Abraço!

Teresa disse...

Brilhante como sempre!

A Taste in Heaven disse...

Me encanto ao passar por aqui e ler suas postagens super interessantes e ricas, Eduardo!!

Vivianne

GUGA ALAYON disse...

salut
ótimo texto, Eduardo

Nuno de Oliveira Garcia disse...

E esse Toro é a entrada para outros tintos da Catalunha. Do Priorat é quase só delícias, como o "Clos Morgador", "Clos Martinet" e o magnífico "Vall Lach".

Abraços,

N.

Le vin au blog disse...

Olá! Gostamos muito da idéia de vocês de fazer uma degustação combinada entre blogueiros. Será que podemos participar também?
Somos bebedores amadores de vinhos e resolvemos criar um blog para deixar comentários sobre os vinhos que degustamos. Os comentários são pessoais, assim como as notas.
Mais tarde, descobrimos os blogs de vocês e ficamos felizes por ver que existem outros blogs parecidos com o nosso.
Ah, temos uma pergunta da semana. Ficaremos felizes se você deixar um comentário.
Abraços.
Rafaela e Claudio

Denise Sollami disse...

Eduardo, eu queria entender porque estes vinhos tintos muito fortes, muito encorpados, me dão dor de cabeça. Não é que não goste deles, me são indigestos. Uma dor de cabeça certa é, por exemplo, tomar um merlot de teor alcoólico 13°. A mesma coisa acontece com prosecco - não é que não goste, gosto, e bem, mas não posso tomar, a não ser que beba muita água junto.

Vinho para Todos disse...

Notícias de nossa Confraria Brasileira de Enoblogs: o vinho escolhido para o mês de março foi o RIO SOL CABERNET SAUVIGNON SHIRAZ, da ViniBrasil. A escolha foi dos amigos do ViVinhos. Postagem dos comentários para dia 1º de abril.
Saúde!!!

O Velho da Montanha disse...

Zaratrusta está de volta. Desceu da sua montanha, deixou lá a serpente e em vez de uma águia, trouxe um papagaio - Enfim... limitações.
Cumprimentos.

Escorpiana Explosiva disse...

LINDO TEXTO ATE ME DEU VONTADE DE TOMAR UM VINHO AI QUE DELICIA,BOM FDS ,BJO

de Litro disse...

Faz tempo que não bebo esse vinho.
É como se já não o conhecesse.
Tenho de voltar a prová-lo.

Estou como Borges:
- "Vinho do mútuo amor ou da dura peleja,
Talvez um dia eu próprio te chame.
Assim seja."

www.flagrantedelitro.blogspot.com/

Anônimo disse...

Eduardo, encontrei esse link e achei que podia te interessar: http://www.wineblogatlas.com/
Abs
Paco