28.4.06

Sobre o que se leva dessa vida


O sobreiro é árvore sábia, longeva e generosa, como seus conterrâneos ibéricos. Vive entre 150 e 200 anos numa região privilegiada do planeta e é o grande fornecedor da cortiça, material ideal para a conservação e a maturação do vinho. 

Durante os quase 2 séculos de vida de um sobreiro são feitas 16 extrações da casca, sempre de 9 em 9 anos. Nas duas primeiras, o material ainda não está pronto para uso. Para a fabricação de rolhas, vale a partir da terceira retirada, quando o sobreiro já tem por volta de 30 anos de idade. Pelas marcas deixadas no tronco, o sábio agricultor conhece, não apenas a idade e a quantidade de extrações, mas a vida de cada sobreiro. 

Há séculos, a técnica de retirada é feita da mesma forma e grandes vinhos se tornaram ainda maiores graças à rolha de cortiça. Recentemente chegaram ao mercado a rolha sintética de borracha e os vinhos com tampa de rosca. Consumismo vão. Estas alternativas podem até conservar o vinho com razoável honestidade, mas não contam histórias. 

Até o momento em que está na garrafa, uma rolha cumpre com dignidade a missão de conservar o valor da bebida. Uma vez aberto o vinho, a rolha muda de função e passa a contar uma história. A história de quem viveu aquele momento. A sua história. Por isso, o sábio não mede sua vida em dias, meses ou anos, mas em rolhas. Por isso, o sábio não mede sua riqueza pelo número de garrafas que repousam em sua adega, mas no número de rolhas que já passaram pelas suas mãos. 

Pequenos cilindros de cortiça que registraram, cada qual em seu momento, diferentes sentimentos, sensações, pensamentos, paixões, encontros, desencontros, divagações, prazeres, inspirações ou, em apenas uma palavra, experiências. Passagens da vida que tiveram por testemunha uma garrafa de vinho geralmente são experiências que vale a pena lembrar e guardar. 

Não por acaso, disse o maior de todos os sábios, aquele nascido em terra de grandes sobreiros, que fingia-se poeta mesmo o sendo e para quem tudo valia a pena não sendo a alma pequena: " A vida é boa, mas melhor é o vinho."


6 comentários:

fernando cals disse...

Oi, Edu,
Obrigado pela sua visita ao Observador!
Cá estou, me deliciando com suas "conversas" sobre os vinhos e suas vizinhanças.
Vou recomendar o seu bloue para o meu filho, que está se tornando um interessado total pelos vinhos e suas consequências.
Claro, eu tembém tenho interesse e gosto muiot, mas o cara, meu filho, está cada vez mais se aprofundando nessa senda.
Quanto ao seu comentário sobre o Nosso Guia, plenamente de acordo.
Abraços
fernando cals

CrissMyAss disse...

Por que parou, parou por que?

kátia najara disse...

edu, eu tenho essa viagem de guardar as rolhas como lembranças de bons momentos regados a vinho.

mariana disse...

Adorei essa foto das rolhas!

Pedroca disse...

Quase me fez chorar, pensando nas várias rolhas que não guardei.
Mas tenho as lembranças das sensações que as acompanharam.

Belíssimo texto.

Candy disse...

Assim como a KAtita, eu gurado as rolhas, elas me lembram de grandes momentos...