3.6.07

A incrível história do homem que transformou vinho em água


Na liturgia do vinho, Robert the wine advocate Parker opera milagres. Reza a lenda que Robert the wine apostle Parker, contra a unânime opinião de todos os críticos e especialistas franceses, qualificou como "soberba" a obscura safra de 1982 de Bordeaux. Quando estes vinhos atingiram o estágio de prontos-para- beber, o mundo calou-se de espanto diante da revelação proporcionada por aquelas garrafas. Confirmada a profecia, todas as garrafas que os dedos de Robert midas Parker passaram a tocar transformaram-se imediatamente em ouro para seus produtores.

Mas o maior das façanhas atribuídas a Robert the father, the son, and the holy ghost Parker ainda estaria por vir. A Robert the guy Parker é atribuída a responsabilidade de ter ensinado os americanos a beber vinho. O que, considerando a dimensão e a sede do mercado norte-americano, equivale à reversão do bíblico milagre da transformação da água em vinho operada por ocasião das bodas de Canaã.

O fato é que Robert Parker andou lendo este blog. Só encontro esta explicação para a recente coincidência de opiniões entre o Santo e este pobre pecador que vos escreve. Em entrevista à imprensa brasileira, Robert Parker andou declarando que o vinho bom é aquele que você gosta, que ótimos vinhos encontram-se em todas as partes do mundo e que, ora vejam vocês, a razão para que se pague mais de 100 dólares por um vinho não é outra senão a de adquirir a experiência necessária para identificar os maravilhosos vinhos que situam-se na faixa de 15 e 35 dólares. Touché.

Recém-convertido ao inconsciente coletivo enológico mundial, junto-me à legião de seguidores do maior dos profetas. Como testemunha fiel que sou, afirmo que Robert amém Parker já degustou de tudo, Robert amém Parker tudo sabe, tudo ouve, tudo vê, Robert amém Parker multiplicou os pães, Robert amém Parker andou sobre as águas, Robert amém Parker ressuscitou Lázaro, Robert amém Parker...

15 comentários:

cudi disse...

Amém!

Vinho para Todos disse...

Eduardo, tentarei encontrar o Fundação Eugênio Almeida por aqui. Alguma indicação quanto à safra? É o tinto? Com as iniciais EA no rótulo, certo?
Abraço.

Vinho para Todos disse...

Confrade, acho perfeita a indicação do Casillero del Diablo Carmenère 2005. Tenho muita curiosidade em experimentá-lo. Avisarei aos demais confrades.
Abraço.

Marcelo Cabral Ghilardi disse...

Adorei a ideia deste blog, muito bom mesmo !!

Estou começando um blog agora.
bonsvinhos.blogspot.com

Abraços
Marcelo

Fernando disse...

Pois é, Eduardo,
num universo onde, cada vez mais, aparecem, onde menos se esperaria, ótimos vinhos, essa coisa de super valoirizar os vinhos apenas pelo preço, parece rematada tolice.
Outro dia, bebi na casa de um amigo, cliente meu, um vinho sul-africano, uva "pinotage", Five Heirs, que eu achei muito bom. Dizer alguns anos atrás que a Africa do Sul produziria bonsvinhos, pareceria sacrilégio.
E, continuarei a vir, sempre, por aqui para tomar aulas de vinhos e de bom gosto.
abraços
fernando cals

Há nônimus disse...

Qual mulher,(dependendo da ocasião), todo vinho merece ser saboreado (não sou enólogo), degustado, bebido, ou simplesmente aproveitado.
Como disse D. João VI ao filho Pedro I, "toma logo conta dessa porra, antes que a turma de Brasília entorte tudo.
Aí não sobrou prá ninguém.
Há nônimus.

Antônio disse...

Aqui pra nós: é pretensão ou falta de conhecimento dizer que Robert Parker andou lendo o seu blog? Não foi a primeira vez que ele afirmou que 'vinho bom é aquele que você gosta'.
Aliás, foi a primeira vez que ele afirmou isso para a imprensa brasileira. Provavelmente porque não é todo dia que ele fala para a imprensa brasileira, né não?

há nônimus disse...

O interessante, curioso até, é que só depois de ver a qualidade da cortiça da rolha, é que saberemos a qualidade do vinho que vâmos apreciar.
Só as boas rolhas é que escondem bons vinhos.
há nônimus.

Vinho para Todos disse...

Eduardo, não se esqueça: hoje é dia de comentar o vinho do mês, CASILLERO DEL DIABLO CARMENÈRE 2005.
Saúde!

michel disse...

Tenho meus receios ao Parker.

Teresa disse...

Rezo mais pela sua cartilha, oras!

fezoca disse...

como entendo pouquissimo de vinhos, mas quero aprecia-los, concordo com o Parker que o vinho bom eh aquele que voce gosta...

gostei imensamente do seu texto! abraco! :-)

Anônimo disse...

Eduardo, não piso em uvas mas sou bailarina e gostei muito de seus textos.
Virei mais vezes, com a mesma ansiedade que Baudelaire sentia antes de dar o primeiro gole, dizendo:
"Sol interior que o deus da videira desperta".

ina.ms@terra.com.br

Pingus Vinicus disse...

Digno Eduardo que se passa consigo? Para quando um novo texto?

Um abração.

Cristina disse...

Adorei seu espaço!!!
Voltarei mais tarde com um pouco mais de tempo para ler os outros posts.

Um grande beijo e tin tin!